Políticas de privacidade

Declaração de proteção de dados

Estamos muito satisfeitos com o seu interesse em nossa empresa. A proteção de dados é muito importante para o conselho de administração do Grupo Sanhua (doravante denominado SANHUA). A utilização dos sites da SANHUA é (em princípio) possível sem o fornecimento de quaisquer dados pessoais. No entanto, se o interessado quiser usufruir de serviços específicos da nossa empresa através do nosso site, pode vir a revelar-se necessário o tratamento dos dados pessoais. Se o processamento de dados pessoais for necessário e não houver base legal para tal processamento, geralmente pedimos à pessoa interessada que dê o seu consentimento.

O tratamento de dados pessoais (por exemplo, nome, endereço, e-mail ou número de telefone da pessoa interessada) sempre ocorre de acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados e de acordo com os regulamentos nacionais SANHUA aplicáveis ​​sobre proteção de dados. Por meio desta Declaração de Proteção de Dados, nossa empresa deseja informar o público sobre a forma, o alcance e a finalidade dos dados pessoais coletados e processados ​​por nós. Além disso, as pessoas envolvidas serão informadas (por meio desta Declaração) sobre seus direitos.

A fim de garantir a proteção completa dos dados pessoais processados ​​com o uso deste site, a SANHUA, como administradora responsável pelo processamento, aplicou inúmeras medidas técnicas e organizacionais. No entanto, a transmissão de dados pela Internet pode conter essencialmente lacunas de segurança, de forma que a proteção absoluta não pode ser garantida. Por este motivo, cada pessoa tem o direito de escolher e fornecer-nos os seus dados pessoais através de um percurso alternativo - por exemplo, por telefone.


1. Definições

A Declaração de Proteção de Dados da SANHUA é baseada nos conceitos que foram aplicados pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e decretos ao publicar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR). Nossa Declaração de Proteção de Dados deve ser facilmente legível e compreensível para o público e para nossos clientes. Para garantir isso, gostaríamos de explicar os conceitos aplicados.

Nesta Declaração de Proteção de Dados, usamos, entre outros, os seguintes conceitos:

a) Dados pessoais

Dados pessoais são quaisquer informações que se refiram a uma pessoa física identificada ou identificável (doravante denominada “titular dos dados”). A pessoa identificável é uma pessoa física que pode ser identificada direta ou indiretamente, nomeadamente com base num identificador associado, como sobrenome, número de identificação, dados de localização, identificador online, bem como com base num ou mais identificadores características que definem a identidade física, fisiológica, genética, psicológica, econômica, cultural ou social de uma pessoa física.

b) Titular dos dados

O titular dos dados é qualquer pessoa física identificada ou identificável, cujos dados serão processados ​​pelo administrador.

c) Processamento

Processamento significa operações automatizadas ou não automatizadas ou um conjunto de operações realizadas em dados pessoais, como coleta, gravação, organização, organização, armazenamento, adaptação ou modificação, leitura, pesquisa, uso, divulgação por encaminhamento, distribuição ou disponibilização de outra forma, correspondência ou combinação, limitação, exclusão ou destruição.

d) Limitação de processamento

Significa a marcação de dados pessoais armazenados para limitar seu processamento futuro.

e) Perfil

Elaboração de perfil significa qualquer forma de tratamento automatizado de dados pessoais, que envolve o uso de dados pessoais para a avaliação de certos aspectos pessoais de uma determinada pessoa física, especialmente para analisar ou prever aspectos relacionados aos efeitos de seu trabalho, seu ou dela situação econômica, saúde, preferências pessoais, interesses, credibilidade, comportamento, local de residência ou movimento;

f) Pseudonimização

Pseudonimização significa o processamento de dados pessoais de tal forma que não possam mais ser atribuídos ao titular dos dados específicos sem o uso de informações adicionais, desde que tais informações adicionais sejam mantidas separadamente e sejam cobertas por medidas técnicas e organizacionais que evitem atribuí-lo a uma pessoa física identificada ou identificável;

g) Administrador ou entidade responsável pelo processamento

Entende-se por administrador ou entidade responsável pelo tratamento uma pessoa singular ou colectiva, organismo público, instituição ou outra entidade que (de forma independente ou em conjunto com outras) determina os objectivos e modalidades do tratamento dos dados pessoais. Se os objetivos e métodos desse tratamento estiverem definidos na legislação da União Europeia ou na legislação de um Estado-Membro, o administrador ou os critérios para a sua designação podem ser determinados de acordo com a legislação da União ou dos Estados-Membros. Além disso, na legislação da UE ou na legislação de um Estado-Membro, o administrador pode ser designado ou podem ser estabelecidos critérios específicos para a sua designação.

h) Processador

O processador significa uma pessoa física ou jurídica, órgão público, pessoa física ou outra entidade que processa dados pessoais a pedido do administrador.

i) Destinatário

Entende-se por destinatário uma pessoa singular ou coletiva, órgão público, instituição ou outra entidade, a quem são divulgados dados pessoais, independentemente de ser ou não um terceiro. No entanto, os organismos públicos que podem receber dados pessoais no âmbito de um procedimento específico de acordo com o direito da União ou o direito de um Estado-Membro não são considerados destinatários;

j) Terceiro

O terceiro é uma pessoa singular ou coletiva, órgão público, instituição ou entidade diferente do titular dos dados, do administrador ou do processador ou pessoas, que (sob a autoridade do responsável pelo tratamento ou do processador) pode tratar os dados pessoais.

k) Consentimento

O consentimento significa qualquer declaração de vontade do titular dos dados, submetida voluntariamente, com conhecimento e sem ambigüidade, em relação a um caso específico, na forma de uma declaração de outra ação de confirmação explícita, pela qual a pessoa implica que concorda com o processamento de seus dados pessoais;


2. Detalhes de contato da entidade responsável pelo processamento

O Administrador, no sentido do Regulamento Geral de Proteção de Dados, dos demais Atos de Proteção de Dados em vigor no Estado-Membro da União Europeia, bem como de outros regulamentos de proteção de dados, é a empresa especificada na Informação Editorial.

O contato com o funcionário responsável é possível através do e-mail: gdpr@sanhua-aweco.com.


3. Cookies

Os sites da SANHUA usam cookies. Arquivos de cookies são arquivos de texto. Eles são colocados e salvos por um navegador da web em um sistema de computador.

Vários sites e servidores usam cookies. Muitos dos cookies contêm o denominado Cookie-ID. Cookie-ID é uma etiqueta de identificação de cookie exclusiva. É composto por uma série de caracteres, através dos quais sites e servidores podem ser atribuídos a um navegador específico, no qual são armazenados arquivos de cookies. Isso permite que os sites e servidores visitados distingam um navegador individual da pessoa, cujos dados se referem a outro navegador da web, de outros navegadores que contêm outros arquivos de cookies. Um navegador da web específico pode ser reconhecido e identificado com o uso de um Cookie-ID exclusivo.

Graças ao uso de cookies, a SANHUA pode oferecer serviços mais fáceis de usar para os usuários deste site. Isso não seria possível sem o uso de cookies.

Com a ajuda de um cookie, informações e ofertas em nosso site podem ser otimizadas no interesse do usuário. Os cookies nos permitem, como já mencionado, o re-reconhecimento dos usuários do nosso site. O objetivo deste reconhecimento é facilitar a utilização do nosso site pelos usuários. O usuário de um site que utiliza cookies não precisa fornecer seus dados de acesso, pois os mesmos serão assumidos pelo site e instalados no sistema do computador. Outro exemplo é o cookie de um carrinho de compras na Loja Online. A loja online via cookie lembra os artigos que o cliente colocou no carrinho de compras virtual.

O titular dos dados pode impedir a colocação de cookies no nosso site, graças à configuração adequada do navegador. Além disso, o titular dos dados pode se opor à colocação permanente de cookies. Além disso, todos os cookies já postados podem sempre ser excluídos com o uso de um site ou outro software. Isso é possível em todos os navegadores da web atuais. Se o titular dos dados desabilitar a colocação de cookies no navegador, pode ocorrer que, nessas circunstâncias, nem todas as funções do nosso site estejam disponíveis em sua totalidade.


4. Registro de dados e informações gerais

Cada vez que titular dos dados ou sistema automatizado abre um site, o site da SANHUA registra uma sequência de dados e informações gerais. Os dados e informações acima são salvos nos dados de login do servidor. As seguintes informações podem ser salvas: (1) tipos e versões usados ​​de navegadores da web, (2) sistema operacional de um sistema com acesso, (3) um site, a partir do qual um sistema tem acesso ao nosso site (s-called referrer) , (4) subpáginas, às quais somos orientados através do sistema, que tem acesso ao nosso site, (5) data e hora de acesso ao site, (6) endereço IP, (7) provedor de serviços de Internet do sistema com acesso e (8) outros dados e informações semelhantes que servem para nos defender contra ataques aos nossos sistemas de informação e tecnologia.

Ao usar esses dados e informações gerais, a SANHUA não tira conclusões sobre o titular dos dados. Esta informação é mais necessária para: (1) fornecer o conteúdo do nosso site de forma adequada, (2) otimizar o conteúdo do nosso site, bem como publicidade sobre ele, (3) garantir a eficiência contínua de nossa tecnologia e sistemas de informação e técnicas do nosso site, bem como (3) fornecer às agências de aplicação da lei as informações necessárias para processar um crime no caso de um ataque cibernético. Esses dados e informações coletados anonimamente serão analisados ​​pela SANHUA, por um lado, para fins estatísticos e, por outro lado, para garantir maior proteção e segurança dos dados em nossa empresa, a fim de garantir um nível ideal de proteção para os dados pessoais processados ​​por nos. Os detalhes de login do servidor anônimo serão salvos separadamente de quaisquer dados pessoais fornecidos pelo titular dos dados.


5. Possibilidade de contato pelo site

O site da SANHUA, em conexão com os regulamentos legais, contém informações que permitem um contato eletrônico rápido com nossa empresa, bem como a comunicação direta conosco. Incluem também o endereço geral do denominado correio eletrônico (endereço de e-mail). Se o titular dos dados estabelecer contato via e-mail ou formulário de contato com a entidade responsável pelo processamento, os dados pessoais transferidos do titular dos dados serão salvos automaticamente. Esses dados pessoais (fornecidos voluntariamente à entidade responsável pelo tratamento pelo titular dos dados) serão registados a fim de desenvolver ou estabelecer contato com o titular dos dados. Não ocorre transferência posterior desses dados pessoais a terceiros.


6. Exclusão e bloqueio de rotina de dados pessoais

A entidade responsável pelo processamento, processa e guarda os dados pessoais do titular dos dados apenas durante o período necessário para cumprir o objetivo do armazenamento de dados ou se assim for previsto pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e portarias, bem como por outro legislador nos atos ou regulamentos, aos quais está sujeita a entidade responsável pelo processamento.

Se a finalidade do armazenamento de dados não for mais válida ou o período de armazenamento especificado pela Autoridade Legislativa Europeia para as diretivas e decretos, bem como outro legislador relevante, tiver expirado, os dados pessoais serão bloqueados ou removidos rotineiramente de acordo com as disposições legais.


7. Direitos do titular dos dados

a) O direito de obter confirmação

Cada pessoa em causa tem o direito (que lhe foi concedido pela Autoridade Legislativa Europeia para directivas e decretos) de solicitar à entidade responsável pelo processamento uma confirmação do tratamento dos seus dados pessoais. Se o titular dos dados desejar usar seu direito para obter tal confirmação, ele pode (a qualquer momento) solicitar ao funcionário da entidade responsável pelo processamento deste caso.

b) O direito à informação

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (fornecido pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e decretos) de obter da entidade responsável pelo tratamento de dados, a cada solicitação, informações gratuitas sobre seus dados pessoais armazenados e de receber uma cópia dessas informações. Além disso, a Autoridade Legislativa Europeia de diretivas e decretos concedeu ao titular dos dados o direito de receber as seguintes informações:

  • Finalidades do processamento de dados
  • Categorias de dados pessoais que são processados
  • Recipientes ou categorias de destinatários, para os quais os dados pessoais foram ou serão disponibilizados, em particular no que diz respeito a destinatários em países terceiros ou organizações internacionais
  • Se possível, o tempo planejado para o qual os dados pessoais serão ser armazenado, ou se isso não for possível - critérios para a determinação de tal período
  • Existência do direito de retificar ou apagar seus dados pessoais, bem como o direito de reduzir o processamento pelo administrador e o direito de objetar
  • Existência do direito de apresentar reclamação ao órgão de fiscalização
  • Se os dados pessoais não tiverem sido obtidos do titular dos dados: todas as informações disponíveis sobre a origem dos dados
  • Existência de processo automatizado de tomada de decisão, incluindo definição de perfis, nos termos do artigo 22.º, n.ºs 1 e 4 do RGPD e - em menos nesses casos - informações claras sobre a lógica associada, bem como a extensão e o impacto pretendido deste tipo de dados processamento para o titular dos dados.

Além disso, o titular dos dados tem o direito de ser informado se os dados pessoais foram transferidos para um dos países terceiros ou para uma organização internacional. Nesse caso, o titular dos dados também tem o direito de obter informações sobre as garantias aplicáveis ​​em relação à transferência.

Caso o titular dos dados deseje usufruir de seu direito à informação, pode (a qualquer momento) solicitar ao funcionário da entidade responsável pelas informações que o faça.

c) O direito à retificação

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para directivas e decretos) de exigir a retificação imediata dos seus dados pessoais incorrectos. Além disso, o titular dos dados tem o direito de solicitar a complementação de dados pessoais incompletos no que diz respeito à finalidade do seu tratamento - também por meio de declaração complementar.

Se o titular dos dados desejar exercer o seu direito à retificação, pode (a qualquer momento) se referir ao funcionário da entidade responsável pelo processamento.

d) O direito de deletar dados (direito ao esquecimento)

Cada pessoa afetada pelo processamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para as diretivas e decretos) de exigir o apagamento dos seus dados pessoais sem qualquer demora pelo administrador se uma das seguintes causas se aplicar e a menos que o processamento de dados É necessário:

  • Os dados pessoais já não são necessários para os fins para os quais foram recolhidos ou de outra forma processados.
  • O titular dos dados revoga o consentimento, no qual o tratamento se baseia, em conformidade com o artigo 6, secção 1, letra a, ou artigo 9, secção 2, letra a GDPR e não há outra base jurídica para o processamento.
  • Os arquivos do titular dos dados contestam o processamento de acordo com o Artigo 21, seção 1 do RGPD e não há motivos legítimos de prioridade para o processamento ou o titular dos dados se opõe ao processamento de acordo com Artigo 21.º, secção 2, do RGPD.
  • Os dados pessoais foram tratados ilegalmente.
  • A exclusão de dados pessoais é necessária para cumprir uma obrigação imposta por lei de acordo com o direito da União Europeia ou do Estado-Membro ao qual pertence o administrador.
  • Os dados pessoais eram coletados em conexão com os serviços oferecidos pela comunidade de TI de acordo com o Artigo 8, seção 1 do RGPD.

Se um dos motivos acima mencionados se aplicar e o titular dos dados desejar solicitar a exclusão dos dados armazenados no SANHUA, o titular dos dados poderá (a qualquer momento) solicitar que o funcionário da entidade responsável pelo processamento tome medidas. Um funcionário da SANHUA garantirá que o procedimento de exclusão seja realizado sem demora.

Se os dados pessoais forem publicados pela SANHUA, e nossa empresa (como administradora de acordo com o Artigo 17, seção 1 do GDPR) for obrigada a excluir os dados pessoais, a SANHUA (levando em consideração as tecnologias disponíveis e os custos de implementação) tomará as medidas adequadas (também etapas técnicas) para informar outros administradores de dados pessoais, que processam dados pessoais publicados, sobre o fato de que o titular dos dados solicitou a esses outros administradores de dados pessoais a remoção de todos os links para esses dados pessoais, bem como suas cópias e replicações, a menos que seu processamento seja necessário. Um funcionário da SANHUA fará o que for necessário em casos individuais.

e) O direito de ter o processamento restrito

Cada pessoa afetada pelo processamento de pessoal tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e decretos) de solicitar ao administrador para restringir o processamento se uma das seguintes condições for satisfeita:

  • A correção dos dados pessoais será contestada pelo titular dos dados, nomeadamente por um período tal que o administrador possa verificar a exatidão dos dados pessoais.
  • O processamento dos dados é ilegal e o titular dos dados rejeita a eliminação dos dados e solicita, em vez disso, a restrição do utilização de dados pessoais.
  • O administrador não precisa de mais dados pessoais para o processamento, mas o titular dos dados precisa deles para investigar, fazer cumprir ou defender reivindicações legais.
  • O titular dos dados opôs-se ao tratamento de dados pessoais em conformidade com o artigo 21.º, n.º 1 do RGPD e ainda não está claro se os motivos legítimos do administrador superam os motivos legítimos do titular dos dados.

Caso ocorra uma das condições acima mencionadas e o titular dos dados requeira a limitação do tratamento dos dados pessoais armazenados pela SANHUA, poderá a qualquer momento solicitar ao funcionário da entidade responsável pelo tratamento do assunto. Um funcionário da SANHUA solicitará uma limitação do processamento de dados.

f) O direito de transferência de dados

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para directivas e decretos) de receber dados pessoais relativos a essa pessoa que foram fornecidos ao administrador, num formato informático estruturado, de uso corrente e legível. Além disso, ele ou ela tem o direito de transferir esses dados para outro administrador sem obstáculos por parte do administrador, a quem os dados foram colocados à disposição, se o tratamento for baseado em consentimento nos termos do artigo 6, seção 1, letra a do GDPR ou do Artigo 9, seção 2, letra a, do GDPR ou no acordo em conformidade com o Artigo 6, seção 1, letra b do GDPR, e o processamento ocorre por meio de um procedimento automatizado, desde que o processamento não seja necessário para o realização ou obrigação de interesse público ou no âmbito do exercício da autoridade pública confiada ao administrador.

Além disso, o titular dos dados, usando o direito à transferência de dados de acordo com o Artigo 20, seção 1 do RGPD, tem o direito de dar consentimento para a transferência de dados pessoais de um administrador para outro administrador, desde que seja tecnicamente possível e não limita os direitos e liberdades de outras pessoas.

Para exercer o direito de transferência de dados, o titular dos dados pode entrar em contato com o funcionário responsável da SANHUA a qualquer momento.

g) O direito de contestar

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e decretos) de se opor (em um momento) ao tratamento de dados pessoais relacionados a ela ou ela, de acordo com o artigo 6, seção 1 carta e ou f do GDPR, por motivos decorrentes de situação especial. Isso também se aplica a perfis com base nessas disposições.

Em caso de objeção, a SANHUA não processará dados pessoais, a menos que possamos demonstrar razões suficientes, que são mais importantes do que os interesses, direitos e liberdades do titular dos dados, ou que o processamento sirva para investigar, fazer cumprir ou defender reivindicações legais.

Se os dados pessoais forem processados ​​pela SANHUA para fins de publicidade direta, o titular dos dados tem o direito de se opor (a qualquer momento) ao processamento de dados pessoais para fins de publicidade. Isso também se aplica à criação de perfis, contanto que esteja relacionado a tal anúncio direto. Se o titular dos dados se opuser à SANHUA quanto ao processamento de dados para fins publicitários diretos, a SANHUA deixará de processar dados pessoais para esses fins.

Além disso, o titular dos dados tem o direito (por razões que surjam de uma situação particular) de se opor ao tratamento de dados pessoais que são processados ​​pela SANHUA para fins de pesquisas científicas ou históricas ou para fins estatísticos nos termos do Artigo 89, seção 1 do GDPR, a menos que tal processamento seja necessário para executar uma tarefa de interesse público.

Para exercer o direito de oposição, o titular dos dados pode entrar em contato com qualquer funcionário da SANHUA ou outro funcionário. O titular dos dados tem o direito, no contexto da utilização de serviços da sociedade de TI (independentemente da Diretiva 2002/58 / CE), de exercer o seu direito de oposição com a utilização de procedimentos automatizados e com base em especificações técnicas.

h) Decisões automatizadas em casos individuais, incluindo perfis

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para as diretivas e decretos) de ser objeto de uma decisão exclusivamente baseada no processamento automático, incluindo definição de perfis, que tenha efeitos jurídicos sobre ela, ou de forma semelhante afeta significativamente essa pessoa, desde que esta decisão (1) não seja necessária para a celebração ou execução do acordo entre a pessoa em causa e o administrador, (2) seja permitida pela legislação da União ou do Estado-Membro do administrador e estes os regulamentos fornecem medidas adequadas para proteger os direitos e liberdades do titular dos dados ou (3) foram emitidos com o consentimento expresso do titular dos dados.

Se a decisão for necessária (1) para a conclusão ou execução do contrato entre o titular dos dados e o administrador, ou (2) ocorreu com o consentimento expresso do titular dos dados, a SANHUA tomará as medidas adequadas para proteger os direitos e liberdades e legítimo interesse do titular dos dados com direito (pelo menos) a intervir por parte do administrador para esclarecer a posição e contestar a decisão.

Caso o titular dos dados pretenda exercer os seus direitos relativamente às decisões automáticas, pode (a qualquer momento) solicitar ao funcionário da entidade responsável pelo tratamento deste assunto.

i) O direito de retirar o consentimento no campo da proteção de dados

Cada pessoa afetada pelo tratamento de dados pessoais tem o direito (garantido pela Autoridade Legislativa Europeia para diretivas e decretos) de revogar o consentimento para o tratamento de dados pessoais a qualquer momento.

Caso o titular dos dados pretenda exercer este direito de revogar o seu consentimento, pode (a qualquer momento) solicitar ao funcionário da entidade responsável pelo tratamento deste assunto.


8. Proteção de dados ao se candidatar a um emprego no processo de recrutamento

A entidade responsável pelo processamento recolhe e processa os dados pessoais dos candidatos para a realização do processo de recrutamento. O processamento também pode ser feito eletronicamente. Isto é particularmente visível quando o requerente apresenta os respectivos documentos de candidatura em formato eletrónico, por exemplo, por e-mail ou através do formulário da Internet no site Web, ao responsável pelo processamento de dados. Caso a entidade responsável pelo tratamento celebre contrato de trabalho com o candidato, estes dados transferidos serão registados de forma a concretizar a relação de trabalho, tendo em conta as disposições legais. Se não for celebrado qualquer contrato de trabalho entre o responsável pelo tratamento dos dados e o candidato, os documentos de candidatura serão automaticamente apagados dois meses após a data da notificação da decisão negativa, se a remoção não impedir outros interesses legítimos da entidade responsável Para processamento. Outro interesse legítimo neste sentido é, por exemplo, a obrigação de fornecer provas em processos de acordo com a Lei de Igualdade de Tratamento (AGG).


9. Base legal para processamento

O artigo 6º I letra a do RGPD serve à nossa empresa como base jurídica no processamento de dados, na qual solicitamos consentimento para fins específicos de processamento. Se o tratamento de dados pessoais for necessário para a conclusão de um contrato do qual o titular dos dados seja parte, como no caso, por exemplo, em processos de processamento de dados que sejam necessários para a entrega de bens ou a realização de outro benefício ou mútuo consideração, o processamento de dados é baseado no Artigo 6, I, alínea b, do RGPD. Isso também se aplica aos processos de processamento de dados que são necessários para realizar atividades pré-contratuais, por exemplo, no caso de consultas sobre nossos produtos ou serviços. Se nossa empresa estiver sujeita a uma obrigação legal que exija o processamento de dados pessoais, como a obrigação fiscal, o processamento de dados será baseado no Artigo 6 I, alínea c, do RGPD. Em casos raros, o tratamento de dados pessoais pode ser necessário para proteger os interesses vitais do titular dos dados ou de outra pessoa singular. Isso poderia acontecer, por exemplo, quando uma busca em nossa instalação seria ferida e, como resultado, seria necessário fornecer ao médico, hospital ou outro terceiro seu nome, idade e dados relativos a fundos de doença ou outras informações vitais . Nesse caso, o processamento de dados seria baseado no Artigo 6 I, letra d, do GDPR. Em última análise, o processamento de dados poderia ser baseado no Artigo 6, I, letra f, do GDPR. Esta base legal serve para os processos de processamento de dados que não estão incluídos em nenhum dos fundamentos legais listados acima, se o processamento for necessário para proteger os legítimos interesses de nossa empresa ou de terceiros, se os interesses, direitos fundamentais e liberdades fundamentais de a pessoa em questão não está prevalecendo. Esses processos de processamento de dados são especialmente utilizáveis, porque foram especificamente mencionados pelo Legislador da União Europeia. A este respeito, ele representa a opinião de que um interesse legítimo deveria ser assumido se o titular dos dados fosse o cliente do administrador (considerando 47, frase 2 do RGPD).


10. Interesse legítimo no processamento de dados, que é realizado pelo administrador ou um terceiro

Se o processamento de dados pessoais se basear no Artigo 6 I, letra f, do GDPR, nosso legítimo interesse é conduzir nossas atividades comerciais visando o bem-estar de todos os nossos associados e acionistas.


11. O período durante o qual os dados pessoais são armazenados

O critério que determina o período de armazenamento de dados pessoais é o período legal de armazenamento. Após o final deste período, os dados relevantes serão excluídos rotineiramente, a menos que seja necessário para concluir ou iniciar o acordo.


​​​​​​​12. Disposições legais e contratuais relativas ao compartilhamento de dados pessoais; A necessidade de concluir um acordo; A obrigação de divulgação de dados pelo titular dos dados; Possíveis consequências de não compartilhar

Gostaríamos de informar que a divulgação de dados pessoais é parcialmente exigida por lei (por exemplo, regulamentações fiscais) ou também pode resultar de disposições contratuais (por exemplo, informações sobre um contratante). Às vezes, pode ser necessário concluir um acordo para que o titular dos dados nos forneça dados pessoais, que devem, conseqüentemente, ser processados ​​por nós. O titular dos dados é obrigado a nos fornecer seus dados pessoais, por exemplo, quando nossa empresa celebra um contrato com ele. A não divulgação de dados pessoais pode resultar na impossibilidade de conclusão do acordo com o interessado. Antes de divulgar dados pessoais pelo interessado, ele ou ela deve entrar em contato com um de nossos funcionários. O nosso funcionário informará a pessoa em causa, em relação a cada caso individual, se a divulgação de dados pessoais é imposta por lei ou acordo, ou se é necessário celebrar um acordo, se existe uma obrigação de divulgar dados pessoais e quais as consequências que podem ser relacionado com a não divulgação desses dados.

We use cookies to improve your experiencce visiting our website.